Ibge debate, no ENIC, a importância da PNAD contínua

Cimar Azeredo Pereira, coordenador de trabalho e rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Maria Lúcia França Pontes Vieira, gerente de pesquisa do IBGE, apresentaram aos presentes no “Banco de Dados” do 88º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) em Foz do Iguaçu (PR), como funciona a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) e sua importância para entender o mercado de trabalho na construção civil brasileira.

Cimar explicou todos os processos que envolvem a pesquisa, realizada trimestralmente e com dados divulgados todos os meses, analisa 3.464 municípios e visita mais de 70 mil domicílios por mês. Ela produz informações sobre o mercado de trabalho brasileiro. Já Maria Lúcia apresentou dados preparados exclusivamente para o ENIC pelos servidores do IBGE, detalhando as características da construção civil no primeiro trimestre brasileiro.

Entre as conclusões possíveis sobre as informações repassadas, está o aumento dos trabalhadores por conta própria no setor, com a crise econômica. Segundo Cimar, acredita-se que o crescimento do desemprego em geral aumentou o contingente de pessoas que fazendo “bicos” e pequenas atividades típicas do setor da construção, como pequenos reparos, reformas, pinturas entre outros. “O melhor dado para acompanhar o trabalhador é a PNAD Contínua”, ressaltou Cimar.

Outros dados apresentados pelos pesquisadores tratam da participação das mulheres no setor da construção, as faixas etárias, remuneração e nível de escolaridade.

“Essa estratificação dos dados, muitas vezes, ajuda os empresários a definirem políticas específicas nas suas obras”, afirmou Vasconcelos. Depoimento de participantes do encontro confirmam que esses dados estimulam atividades de escolarização nos canteiros.

Fonte: CBIC