Economia brasileira e o desempenho da Construção Civil são analisados pelo Sinduscon-MG em reunião do Banco de Dados da CBIC durante o 88º Enic

Os economistas do Sinduscon-MG Daniel Furletti e Ieda Maria Pereira Vasconcelos fizeram um raio-x da economia brasileira e do setor da construção civil para os participantes da palestra desta sexta-feira à tarde (13) coordenada pelo Banco de Dados, durante o 88º Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC).

O evento é promovido pela Comissão Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e realizado pelo Sinduscon Paraná-Oeste, em Foz do Iguaçu (PR). Segundo eles, sem a recuperação da confiança, a economia brasileira não votará a crescer.

Durante a apresentação, Furletti e Ieda detalharam o atual cenário brasileiro: desequilíbrio fiscal; incertezas políticas; baixo patamar de confiança; queda na produção industrial; recessão econômica; desemprego elevado e crescente; inflação superior ao teto da meta e juros altos. Segundo eles, a conjuntura econômica e política vivida até então, não criava condições para superar esse quadro negativo.

As estimativas apontam que o Brasil não reverterá a situação de 2015 e continuará em recessão em 2016. No período, a produção nacional medida pelo PIB (Produto Interno Bruto) deverá registrar queda superior a 7%, a taxa de investimento continuará baixa (em torno de 18% do PIB), assim como a taxa de poupança nacional (cerca de 14% do PIB). Segundo os economistas, para ter um crescimento sustentado, o Brasil precisaria de elevar os investimentos para um patamar de cerca de 25% do PIB. “Um dos maiores problemas do país é o desequilíbrio das das contas públicas, que deverão encerrar 2016 com deficit superior a R$ 96 bilhões”, comentou Vasconcelos.

Leia matéria completa aqui.

Fonte: Sinduscon-MG