Democratizar é prioridade para construção civil

Tendo registrado redução no ritmo de crescimento nos últimos meses, o setor da construção civil tem como uma das prioridades, para este ano e o próximo, minimizar os entraves burocráticos que se apresentam desde a elaboração dos projetos até depois da conclusão das obras. Mesmo com o arrefecimento registrado desde 2012, com a queda da produção no País, a expectativa para 2014 é avançar mais do que o esperado para este ano.

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, Paulo Simão, 2014 será um ano melhor do que 2013 para o setor Foto: Natinho Rodrigues “Nós ainda temos muitas regras, muitos entraves que aparecem quando você vai aprovar um projeto, quando vai pedir licenciamento, quando vai no cartório registrar o projeto”, aponta o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), Paulo Safady Simão.

Custos maiores

Segundo afirma, o excesso de burocracia ligado a todo o processo tem impactado nos custos para o setor e, consequentemente, no preço dos imóveis para o consumidor. “Hoje, onde nós temos menos problema é na produção. Mas uma obra que poderia ser finalizada em 12 ou 15 meses às vezes demora 30 meses ou mais. Precisamos trabalhar isso, senão nós vamos enfrentar problemas gravíssimos daqui pra frente”, comenta o presidente.

Para este ano, informa Simão, a expectativa é que o setor cresça em torno de 3%, “ou até menos do que isso, o que não é muito bom, porque existe mais potencial”. Desde meados de 2012, justifica, houve uma queda significativa na produção, embora o volume de financiamentos tenha se mantido no período.

Pouco avanço

Isso aconteceu, complementa, porque muitas construtoras aproveitaram para “desovar” imóveis. “O que é bom, porque até abre o caminho para produzir mais e também atende uma camada da população que precisava desses imóveis, mas também pouco contribui para o avanço do setor e do País, porque o valor que se agregou (com as construções) já foi considerado antes”, pondera.

De todo modo, destaca, não há proximidade de crise ou bolha no setor, que, ressalta, ainda passa por um momento favorável, com previsão de crescimento já nos próximos meses. Um dos indicadores positivos para a construção civil foi o estoque elevado de financiamentos imobiliários concedidos às famílias em agosto último, chegando a R$ 314,9 bilhões.

Com esse resultado, o crédito imobiliário superou pela primeira vez o crédito pessoal, que somou R$ 311,5 bilhões no mesmo mês. “Isso foi resultado de um trabalho que vem se desenvolvendo desde 2004. Quando a gente começou (em 2004), o campo imobiliário representava 1,5% do PIB (Produto Interno Bruto) do País. Hoje, já está entre 9% e 10%”, ressalta.

Copa de 2014

Para o presidente da Cbic, a influência da Copa do Mundo de 2014 no mercado imobiliário “já causou o seu maior impacto”. A previsão, destaca, é que os preços registrem um crescimento normal até o evento esportivo.

“Ninguém vai conseguir vender o que o mercado não quer comprar. E nós temos um setor mais profissional, mais maduro. O construtor já sabe o que vai fazer e o que vai vender”, frisa.

A partir de amanhã, Fortaleza irá sediar o 85ª Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), que, pela quinta vez, irá acontecer na Capital. A redução dos entraves burocráticos no setor, destaca Paulo Simão, será um dos principais temas tratados no evento, que se estenderá até a próxima sexta-feira.

O Enic contará com painéis e cerca de 70 palestras, sobre diversos temas. Entre os participantes, estão os ministros Aguinaldo Ribeiro, de Cidades, e Miriam Belchior, de Planejamento, Orçamento e Gestão.

Mais informações 85ª Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic)

Data: 2 a 4 de outubro

Local: Centro de Eventos do Ceará

Público estimado: 1,2 mi pessoas