Construção debate futuro do setor

O Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic) vai ocorrer em Fortaleza a partir desta quarta-feira, 2. Entre os temas, estão obrigações trabalhistas e intervenções no meio ambiente

O futuro da construção no País será debatido no 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic), que acontece em Fortaleza, de 2 a 4 de outubro, no Centro de Eventos do Ceará (CEC). Objetivo é o setor se posicionar sobre questões que envolvem população, legislação, ente público e meio ambiente.

Dois grandes painéis – um na quinta pela manhã e o outro na sexta pela manhã – serão os marcos do Enic em 2013. Conforme o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE), Roberto Sérgio, o setor vai “mostrar a cara” e opinar sobre temas que considera relevantes para o desenvolvimento do setor.

O primeiro debate será sobre como a burocracia limita as atividades de construção civil, com o painel Barreiras Regulares e Burocráticas na Competitividade da Construção Civil Brasileira. “Nosso setor é um dos mais penalizados, porque dependemos muito das entidades públicas, de secretarias e dos cartórios”, argumenta Roberto Sérgio. Participam da discussão a ministra Miriam Belchior, o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o presidente do Grupo Gerdau, Jorge Gerdau.

O segundo grande debate será sobre as mudanças que ocorreram no Brasil nos últimos anos e como a construção civil pode acompanhá-las. Para Roberto Sérgio, um dos debatedores, será a oportunidade de desfazer mitos atribuídos ao setor.

“Somos chamados de ‘destruidores da natureza’. Não é verdade. Construímos aqui no Ceará, vivemos aqui, como vamos destruir o lugar onde moramos? Qualquer atividade humana gera algum desequilíbrio à natureza. A gente tem por objetivo tornar as coisas reversíveis para que haja uma convivência entre a natureza e o progresso”, ressalta o presidente do Sinduscon-CE.

Outro aspecto tratado será a chamada especulação imobiliária. “O especulador é aquele que produz um bem e o guarda para que, tão logo o preço suba, vá para o mercado e venda. Isso não acontece. A gente necessita vender o mais rápido possível, até antes do bem ficar pronto”.

O evento é restrito aos cerca de 1,5 mil participantes inscritos esperados para o evento. Ainda podem ser feitas inscrições no local do Enic. O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, e a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, confirmaram presença na solenidade de abertura, marcada para as 20h30min, no CEC. O Governador Cid Gomes e o prefeito Roberto Cláudio também confirmaram participação. Estão na programação 70 palestrantes e haverá palestras simultâneas.