Construção civil aposta em materiais e mecanismos para reduzir custos

Empresas de construção civil e decoração estão investindo em tecnologia para criar produtos mais eficientes. Para facilitar o dia a dia dos moradores, até as paredes precisam entrar nos trilhos.

Foi o que fez, literalmente, a incorporadora Trust Real Estate. Num edifício construído no Alto da Lapa, zona oeste de São Paulo, a solução encontrada para a planta do imóvel foi a parede em trilhos e motorizada.

Ao toque de um botão, o morador do prédio que será entregue em junho poderá eliminar um dos dois quartos da unidade, de 68 metros quadrados, expandindo a sala se necessário, e vice-versa.

“Primeiro, tentamos fazer em uma fábrica de estruturas metálicas, mas ficou grosseiro. Depois, pedimos para uma empresa de divisórias; melhorou, mas ainda não parecia uma parede”, conta Martim Gross, sócio da Trust.

Com dois engenheiros civis, um mecânico e outro elétrico, a incorporadora tocou o projeto e patenteou a tecnologia desenvolvida em seis meses com R$ 100 mil, o apartamento custa a partir de R$ 820 mil.

A ideia inicial era que a movimentação da parede fosse manual, mas testes mostraram que puxar a estrutura era inviável. A empresa adicionou um motor à parede, o que gerou outro problema.

“A parede ‘anda’ em dez segundos. Foi preciso instalar sensores para detectar se havia algum obstáculo no caminho e não ter risco de esmagamentos”, diz Gross.

Tentativa e erro também marcaram o caminho do empresário Rafael Sorano, 43. Quando ele teve a ideia de criar pastilhas de garrafa PET, achou que havia tecnologia disponível no mercado. “Mas precisei desenvolver tudo”.

Foram três anos e meio e R$ 5,5 milhões investidos em pesquisa e desenvolvimento, como prototipagem de máquinas e criação de cores especiais para as peças.

O resultado foram pastilhas compostas 85% por PET reciclado e 15% por aditivos minerais reaproveitados. Máquinas, materiais e todo o processo foram patenteados no Brasil, nos EUA, no Canadá e na Europa, e os planos da fábrica para este ano incluem o início da exportação para o mercado norte-americano, com a construção de um depósito e uma loja.

Cada metro quadrado do revestimento retira 66 garrafas do ambiente, segundo Sorano. Hoje, a fábrica em Santo André produz 15 mil metros quadrados de peças/mês.

“O modelo extrativista de ocupação do planeta vai gerar um esgotamento rápido dos recursos. Vamos precisar investir em tecnologias para usar várias vezes o mesmo”, diz Luiz Henrique Ferreira, diretor da consultoria Inovatech Engenharia.

Fonte: Folha de São Paulo