Comissão externa sobre obras paralisadas quer mais transparência

Os cortes nos gastos públicos federais que afetaram as obras financiadas com o Orçamento da União, como a suspensão da construção de 47 mil moradias populares; a intervenção em 60 rodovias federais com problemas ou totalmente paralisadas; e a redução a um quarto da liberação de verba para portos, foram alguns pontos amplamente discutidos nesta quarta-feira (24) na comissão externa da Câmara dos Deputados que analisa o andamento dessas obras em todo o País.

Os parlamentares da comissão queriam um balanço das obras do Minha Casa Minha Vida, de portos e das rodovias federais. No caso da construção de casas ou apartamentos populares, a falta de repasse federal pode afetar a oferta de novas moradias para a população com renda familiar até R$ 1.600 por mês, porque o Orçamento Geral da União custeia 95% do valor do imóvel.

Zé Silva: ficou muito claro que o governo federal não sabe quantas obras estão paradas e nem quais os motivos

Zé Silva: ficou muito claro que o governo federal não sabe quantas obras estão paradas e nem quais os motivos

Minha Casa Minha Vida
O superintendente nacional do Minha Casa Minha Vida da Caixa Econômica Federal, Henrique Marra de Souza, disse que das 408 mil unidades em construção, 14% estão paradas, mas o problema era mais burocrático do que financeiro. E já foi resolvido (um entrave contratual que foi sanado por uma portaria do Ministério das Cidades). “Nós estamos em um universo de 59 mil unidades paralisadas em todo o país. Dessas 59 mil, em julho a gente retomou 12 mil e ficaram 47 mil unidades que tem programação junto ao Ministério das Cidades, que é gestor do programa, de retomar até o final de dezembro”, explicou.

Rodovias
No caso do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), das 224 obras de duplicação, pavimentação ou reforma de rodovias sob responsabilidade do órgão, 23 estão lentas e 37 completamente paradas, segundo coordenador-geral de Manutenção e Restauração Rodoviária do Dnit, Fábio Pessoa da Silva Nunes. “Pela nossa análise, no Dnit, o valor orçamentário necessário para dar continuidade a essas obras que estão com restrições orçamentárias seria mais ou menos de R$ 237 milhões.”

Leia matéria completa aqui.

Fonte: Sinduscon/SP